domingo, 2 de maio de 2010

JANELA DA ALMA


Manhã fria
Brisa forte
Neblina
Na janela [da alma]
Chuva fina

Mente vazia
Destino sem norte
Saudade que desatina
Em meu peito, sem calma
Pareço menina...

Ah, e quem diria
Que foi falta de sorte
Ilusão da retina...

Ah, o que faria
Se fosse mais forte
... pra subir a colina

Subiria tão alto
Me levaria tão longe...

No campo, no asfalto
não importa como, não importa aonde...

O coração é quem sente
Essa paixão açoiteira
Que consome e balança

Memórias ardentes
Sem fogo ou lareira...
Apenas lembranças

8 comentários:

Nathi Delacroix disse...

"Destino sem norte
Saudade que desatina"

*_____* Eu adoro quando mesclamos "classes" diferentes em textos.. Destino sem norte. *-*

Lindo, lindo, liiiiiiiiindo demais!

Beijo, xará! Demorou, mas valeu a pena ê ê! ♥

Marcelo Zaniolo disse...

Ouw... Muito bom! Hehe

E tu vai ser redatora, né?
(se me disser que não, tentarei de convencer do contrário!)

Hm...

E eu ia elogiar o mesmo trecho que comentaram acima:

"Destino sem norte
Saudade que desatina"

Muito bom mesmo.
Parabéns!

Tiago Moralles disse...

Como é bom lembrar.

Naty Araújo disse...

E quer saber?...
Eu adoro lembrar...
Lembrar é reviver em pensamentos o que vivemos em ações.
Eita.. de onde tirei isso? hahahaha.

Beijão, Naty.

Barbara C disse...

Eitah Naty que lindas rimas .

Bravo ,bravo!

bjos

Dani Brito disse...

Difícil é quando as lembranças impedem a gente de subir a colina!
Mas é bom lembrar, só se momento foi bom.
Beijos

Naty Araújo disse...

Beijos, Naty... na janela da alma.

Natalya Nunes disse...

Nathi e Marcelo, obrigada pelos exageros..ops, elogios..rs

Ti, saudade tem cheio de naftalina, né? A Naty tbm gosta de lembrar...
É bom saber que os momentos existiram...

Obrigada, Baaaaah! ;*

Dani, acho que isso acontece com mais frequencia do que a gente deseja. =(

Postar um comentário