quinta-feira, 23 de setembro de 2010

ETERNIDADE


Recordo-me do outono, e dele trago a poesia
Que de folhas caídas, fez do vazio só lembrança
E das lembranças apenas passado... uma dança
Que antes era só... mas hoje é sintonia

Sons de sinfonia, aromas de flor, primavera
Sorrisos, beijos com sabor de alegria
Palavras de amor que o coração não ouvia
E a boca jamais dizia, mas sempre fora uma quimera

E da espera fez-se um fim
Da plenitude, como sempre quisera
E na distância, fez-se a dor da saudade...

Hoje sei que teu amor para mim
Me faz sentir viva.. e o coração acelera
um amor que viverá na eternidade...

4 comentários:

Dani Brito disse...

Eita Naty! Arrebentando
Que seja eterno enquanto dure e que dure para sempre (vide música brega de João Paulo & Daniel) rsrs...
Não some não!

Suéllem Nascimento disse...

*_*

Marcelo Zaniolo disse...

Nossa!
Esse é um dos MAIS lindos que já li aqui.

Demais, Nati.
Beijo e parabéns!

Barbara C disse...

O seu mais bonito, e como melhorou todas as rimas nada como amor para ajudar,não?




beijos

Postar um comentário